resoluções de ano novo

2011 foi um ano tenso. Aconteceu tanta coisa de uma vez que até me surpreendi com a maneira que lidei com os problemas. E não sei se com vocês também é assim, mas vai chegando o finalzinho do ano e parece que o mundo começa a desabar. Fora os problemas que já aconteceram durante o ano é como se nesses últimos meses surgisse uma bomba relógio prestes a explodir na minha frente ou como se despencasse um caminhão de melancia na minha cabeça. Problema atrás de problema, uma coisa diferente atrás da outra, tudo de uma vez. Mas apesar de tudo não é daqueles anos que vale a pena esquecer pois, apesar dos pesares, cresci muito com tudo o que aconteceu. Na verdade vai servir é de exemplo porque me mostrou que eu estava em um caminho errado há muito tempo jurando que era o certo. Mostrou coisas importantes de verdade e que aquela frase de que a gente colhe o que planta é verdadeira. Me mostrou que não importa o quão no fundo do poço a gente esteja, sempre dá pra atolar mais um pouquinho. E que nem sempre uma coisa ruim que acontece é ruim de verdade, pode ser a libertação e a maneira certa da gente crescer e ganhar maturidade pra merecer as coisas boas que estão por vir. E é baseado nesse ano intenso que resolvi escrever as minhas resoluções de ano novo.

Preciso acordar e começar a dar valor a quem realmente merece. Aqueles que vão me amar sempre, independente da merda que eu fizer na vida. Aqueles que sempre estarão ao meu lado, em todos os momentos. Aqueles que têm o mesmo sangue que eu correndo nas veias. Família em primeiro lugar. Dar valor a quem realmente merece – parte 2. Teve gente que eu coloquei em um pedestal enorme e no final me decepcionei demais. Não foi um, não foram dois, foram bem mais do que isso. E daí com isso eu lembrei que se eu atraí esse tipo de gente pra minha vida a culpa é minha. Cautela será a palavrinha mágica pra evitar esse tipo de coisa. Comprometimento elevated. Mas ser comprometida só não basta, quero dar o meu sangue e realmente levantar a bunda do sofá e correr atrás dos meus sonhos e metas. Não lamentar. Passou, já era e não tem mais jeito. Olhar sempre pra frente e esquecer o que ficou pra trás. Sem arrependimentos, aguentando e suportando as consequências. Quero banir o “e se” da minha vida. Preciso incluir exercícios na  minha rotina. Fazer alguma atividade física, pra melhorar a minha saúde, minha resistência e minha respiração. E exercitar também a mente, porque se a cabeça não pensa o corpo padece. Aprender coisas novas. Muitas coisas novas, costurar, pintar, restaurar… Absorver tudo o que eu conseguir. E ser realmente boa em alguma coisa. Revelar fotos. Máquina digital é uma coisa boa, mas a gente sempre esquece de revelar as fotos, essa é a verdade. Uma comodidade burra. Porque você pode ver as fotos no computador, na tv, na internet, mas não existe coisa melhor que ver as fotos impressas na mão, a emoção é diferente e não tem como negar. Verdade e sinceridade acima de tudo. Vou falar mais (ainda!) o que eu penso. Mas não do tipo doa a quem doer porque não quero machucar ninguém e por vezes fico quieta pra não arranjar nenhum atrito, mas quero evitar mal entendidos. Não quero desavenças e nem diz que me disse. Jogar limpo com quero que faça o mesmo comigo. Não deixar pra depois e resolver de uma vez. Tudo às claras e sem meias verdades. Preciso aprender a falar sem gritar. Essa é uma coisa muito feia, feia mesmo. E daí acaba que quem escuta pensa que é briga e acaba brigando também. Controle no tom de voz e no gênio ruim que mora dentro da minha cabeça. Realmente fazer sem esperar algo em troca. Porque eu faço as coisas pelos outros e mesmo que seja inconscientemente eu espero uma recompensa ou pelo menos um muito obrigado. E nem sempre recebo ou sou reconhecida e isso me frustra. Preciso me livrar desse estigma. Não falar tanto sobre os meus planos e conquistas. Isso é um ponto sério. Eu tenho a língua muito solta e quando menos espero já contei a minha vida toda pra todo mundo. Mas nem todo mundo tem bons olhos. E esse ano a prova de que mau olhado existe veio em formas diferentes e muitas coisas quebradas e estragadas. E mais uma vez a palavrinha cautela aparece. Não deixar nada pra trás. Dar um jeito e arrumar um tempo. Teve muita coisa que eu não consegui fazer esse ano, muita mesmo. E teve uma época que eu lembrava tudo decor e salteado o que eu precisava fazer, mas hoje a cabeça parece que não funciona mais direito. E eu sei que esqueci de muitas coisas e datas importantes esse ano e até lembrei de algumas coisas depois, mas não tinha mais tempo pra resolver. Preciso criar o hábito de anotar, já que os neurônios pifaram, e se eu escrever não tem como esquecer. Me esforçar pra fazer as pessoas ao meu redor felizes. Sorrir mais e ver a vida de um jeito mais simples. Não levar tudo tão a sério e não deixar que um problema, seja ele grande ou pequeno, estrague o melhor dos meus dias. Viver com leveza e sempre manter o bom humor, em todos os momentos.

Vem 2012, tô te esperando ansiosa. Agora a felicidade não me escapa.

{Juliana Bassan Ayon}

Recomendado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *