dos tijolos, pisos, rodapés e a caminhada

Meses atrás eu não saberia como é a sensação deliciosa de ver ser construída aos poucos uma coisa que é sua. Meu noivo e eu estamos reformando nossa casa e em meio a tantas opiniões divergentes, porque somos muito diferentes em vários aspectos, acredito que agora encontramos um meio termo onde é possível que a vontade dos dois seja levada em conta. Nos primeiros dias lembro que era uma discussão atrás da outra, que hoje lembro rindo, mas que no dia pareciam bem sérias. Cada um querendo arrancar uma parede diferente do lugar, querendo o portão em lugares diferentes, discordando de onde deveria ficar isso ou aquilo. E os pontos de vista sendo defendidos com unhas e dentes. Nós dois temos o gênio difícil, como diz minha mãe, e cada decisão acabava virando um dramalhão mexicano. No meio do caminho mudamos alguns planos, que a princípio pareciam ter causado prejuízo, mas que no final vimos que foi a decisão mais acertada. Algumas coisas foram acontecendo de repente, coisas que nem iríamos mudar e no meio do caminho bateu a oportunidade e já estão prontas e de cara nova. Acaba que uma coisa puxa a outra e tudo vai se acertando. Tiramos uma parede, daí precisávamos de alguma coisa pra fazer a emenda dos cômodos e escolhemos um porcelanato que imita madeira, que por fim usamos pouco e sobrou bastante e assim usamos o restante para trocarmos os rodapés, e foi isso que deixou a sala linda e tirou o ar sem graça que tinha ficado antes. Não foi planejado que seria assim, mas foi e ficou ótimo. Está tudo se encaixando perfeitamente, meio que aos trancos e barrancos eu confesso, mas estão. E a parte mais deliciosa é que agora estamos aprendendo a juntar o melhor de cada um e está dando gosto de ver, tudo está ficando exatamente como queríamos e com a nossa cara. A parte mais pesada da reforma já foi, mas ainda tem muita coisa a ser feita. Estamos tendo tantas ideias juntos e a ansiedade é tão grande que parece que não conseguiremos esperar pra começar a decidir os detalhes finais. E eu bem pensei agora que a vida podia ter um botão FF que nem nos controles remotos, mas daí não teria graça. Seria a mesma coisa que dar uma espiadinha na última página de um livro logo depois de começar a ler. O melhor não é fim e sim a caminhada. 

{Juliana Bassan Ayon}

Recomendado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *