visita

 

Rostos e lembranças. 
Rostos parecidos com rostos que eu já conheci. 
E que me levam de volta a um lugar que não volta mais. 
Um rosto que só conheci mais velho e que novo assim só vi em fotos. 
Um rosto desconhecido que tem um quê familiar.
Um rosto de um desconhecido que me dá saudade de alguém que era tão conhecido e presente. 
Como pode um rosto de alguém ser tão parecido com o rosto de outro alguém? 
Todas as vezes que o rapaz chega com as correspondências é como se eu visse o meu pai mais novo entrando pela porta. 
O meu pai que eu só vi nas fotos bem novinho junto com a minha mãe no começo do namoro deles. 
Tem dias que eu fico curiosa com vontade de perguntar e tentar descobrir se ele não é algum parente perdido, da mesma forma que encontrei uma tia por acaso uma vez. 
Mas eu sei que nunca vou perguntar. 
Daí eu guardo isso pra mim e faço desse o meu segredo. 
E continuo em silêncio recebendo a visita do meu pai todos os dias no rosto do rapaz desconhecido que traz a correspondência.

{Juliana Bassan Ayon}

Recomendado

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *