Projeto Literário “Senhoras Obscenas”

Trilha sonora:  Poema de Hilda Hilst musicado por Zeca Baleiro, na voz de Ná Ozzetti

No mês passado eu tive a grata surpresa de receber uma mensagem da Adriana Caló me convidando para participar do projeto “Senhoras Obscenas” com um dos meus poemas. O canal vem com a intenção de trazer pra rede mulheres escritoras, que tenham suas obras publicadas ou não, e também divulgar o trabalho de grandes e talentosas escritoras que pouca gente conhece.

print 2 print 1

Já são cerca de 30 videos publicados, alguns com poemas de autoria própria e outros com poemas de grandes escritoras (e escritores também) e todos na voz das mulheres participantes do projeto.

Pra que vocês entendam bem sobre o projeto e sobre tudo o que ele é e representa, nada mais justo que chamar as criadoras do projeto pra falar, né? Daí assim surgiu a ideia da primeira entrevista aqui do blog, espero que vocês gostem!

Juh entrevista as Senhoras Obscenas!

 – Quem são as “Senhoras Obscenas”?

unnamed
na foto Graziela Brum e Adriana Caló

Adriana Caló, paulistana formada em História. É escritora reflexiva sobre a vida e as ações cotidianas. Tem um blog chamado “Coisas de Dri” no qual age como colaboradora para a revista de cultura digital Obvious. Curiosa e intuitiva gosta de rabiscar poesias.

Graziela Brum nasceu em Arroio Grande(RS), atualmente vive na capital São Paulo, dedica-se à criação literária todos os dias. Seu primeiro projeto literário foi contemplado com bolsa literária pela Secretária de Cultura de São Paulo – ProAc.

Carla Cunha é paulista, atualmente trabalha em tempo integral em escrita criativa. Escreve por amor, por raiva, para se vingar, para matar. Escreve por prazer e por loucura. A literatura é o seu principal alimento da alma.

E vamos pra entrevista? 🙂

Juh: Como surgiu a ideia de criar o canal no Youtube e a página “Senhoras Obscenas”?

Adriana: Bom, na verdade fui convidada pela Grazi, para participar enviando uma de minhas poesias. Adorei a ideia e declamei um poema de Hilda Hilst. Logo, fui conversando com a Grazi, compreendendo a ideia, e dei algumas dicas e sugestões. Ela gostou me chamou para participar efetivamente do projeto.

Graziela: Quando li uma reportagem sobre uma campanha lançada pelo Youtube para incentivar mulheres a publicarem seus vídeos, pensei de imediato que era preciso compartilhar Literatura e Poesia de autoria feminina na rede. No entanto, foi depois das conversar com Adriana e Carla que definimos efetivamente qual era a missão do projeto.

Carla: Fui convidada pela Graziela para participar do projeto. Ela sabia do meu interesse por Hilda Hilst. Aceitei na mesma hora.

Juh: O nome é uma homenagem a Hilda Hilst, certo? Ela é uma inspiração para vocês?

Adriana:Sim! A Grazi já havia escolhido o nome, mas com o amadurecimento das ideias do projeto o significado ganhou outras considerações. “Senhoras Obscenas” são todas as mulheres que, desde séculos como até hoje em dia, deixam seus próprios medos e preconceitos de lado e lutam por seu espaço em meio às desigualdades de gênero, que sentem desejos de transbordar amores, de aliviar as cargas emocionais cotidianas e que sabem que não devem ser reprimidas devendo assim, incentivar às demais mulheres que tenham essa inclinação artística! E, claro Hilda sempre é inspiração!

Graziela: Um dos livros da Hilda Hilst que trago sempre comigo é A Obscena Senhora D. É um livro que me emociona. Hilda emociona, transcende, eleva. Sempre Hilda.

Carla: Apaixonada por Hilda do jeito que sou, achei o nome do projeto perfeito.

Juh: Além da Hilda, quais autoras também servem de inspiração para vocês?

Adriana: Muitas! E na verdade todo resgate traz a alma de cada escritora o que torna a minha inspiração mais profunda.

Graziela: A nossa ideia é justamente criar um espaço de reconhecimento da Literatura de autoria feminina. A escrita da mulher muitas vezes fica no ostracismo por falta de divulgação, de oportunidades dentro do cenário Literário. Urge ações para diminuir tal disparidade de gênero.

Carla: Muitas autoras me inspiram, estou curtindo conhecer tantas mulheres que escrevem. A oportunidade que o canal/página Senhoras Obscenas nos oferece é incrível. Não conhecia Adalgisa Nery e fiquei encantada. Também amei conhecer Lupe Cotrim. Não sei se chegaria nestas duas escritoras fundamentais se não fosse Senhoras Obscenas.

Juh: Qual o principal objetivo do projeto? O que vocês almejam para o futuro do “Senhoras Obscenas”?

Adriana: Resgatar, apresentar e divulgar novas escritoras/artistas e falarmos sobre as escritoras contemporâneas. Para o futuro, espero que o conhecimento da mulher na literatura e arte seja valorizado e ao alcance de todos.

Graziela: É um espaço de interlocução Literária, de afinidades, de manifestações artistas; montamos o canal Senhoras Obscenas para estudar, reunir pensamentos, juntar artes e, sobretudo, apoiar mulheres na Literatura. Lutamos para que a escrita de autoria feminina se torne mais lida e que suas autoras mais reconhecidas.

Carla: Espero ver no futuro os livros de autoria feminina serem vendidos na mesma proporção que os livros escritos por homens.

Juh: Vocês se veem como uma vertente do feminismo, lutando pela igualdade das mulheres escritoras?

Adriana: De certo modo sim, pois é fato que há uma discrepância!Há séculos as mulheres foram obrigadas a ocupar um lugar inferior na sociedade não sendo questionadas sobre os próprios desejos, seus anseios e inquietações. Com o passar dos anos, e muita luta, as mulheres estão conquistando espaço na esfera intelectual, mas ainda não é fácil.

Graziela: Somos uma vertente do Feminismo quando falamos de reconhecimento da escrita de autoria feminina. É uma luta muito recente, masirá tomar força. Fundamental que se diga que o gênero de quem produz, de quem cria, não é, e nem pode ser, fator determinante para a expressão artística. A Literatura deve se sustentar por ela mesma. A escrita da mulher não tem nenhuma diferença da escrita do homem. Há livros bons e ruins sem distinção de gênero.

Carla: Sou feminista, aqui nas Senhoras Obscenas é apenas um dos níveis que atuo dentro do feminismo.

Juh: Hoje em dia existem muitas pessoas que publicam as suas poesias e textos na rede, porém apesar de ver muita mulher escrevendo bem, observo que a maioria dos que conseguem grande sucesso são os homens. O que vocês pensam a respeito disso?

Adriana: Acho que falta mais visibilidade para essas mulheres. Existem mulheres talentosíssimas, mas que não fazem, seja por vergonha ou receio, a divulgação do seu trabalho.

Graziela: Estamos ainda pagando pelo que fizeram com a nossa autoestima. Devemos considerar que as oportunidades na cena Literária são menores para as mulheres, mas também é preciso dizer que estamos tímidas, com medo da crítica, da exposição. Por isso, toda a ação com o objetivo de estimular mulheres é um passo que avançamos para chegar na equidade de gênero.

Carla: Muitas mulheres estão chegando lá. Alguns prêmios literários importantes (Prêmio de Literatura São Paulo e Prêmio Jabuti) no país começaram a reconhecer o trabalho da escrita da mulher nos últimos anos. No entanto, ainda é irrelevante, pois a mulher não começou a escrever agora. Por isso, é necessário continuar colocando em prática ações para consolidar o reconhecimento da arte produzida pela mulher.

Juh: Vocês acreditam que estamos caminhando para um espaço de igualdade entre homens e mulheres quanto a publicações de livros? Ou ainda estamos longe disso?

Adriana: Eu acredito que, mesmo em passos curtos, sim!

Graziela: Recentemente li uma reportagem sobre uma escritora que depois de ser ignorada pelas editoras na avaliação de seu primeiro original, resolveu se passar por homem. Como homem recebeu várias respostas de editores interessados, e mesmo quando negavam a avaliação do original, enviavam delicados e-mails com justificativa e estímulos para não desistir. Isto demonstra que estamos muito longe de igualdade, pela cultura, pela história. O machismo é uma questão de hábito e mudar hábitos é uma missões muito difícil. Ainda estamos muito longe.

Carla: Para conseguir igualdade de oportunidades precisamos quebrar barreiras quemuitas  vezes nem visíveis são. Muitos comportamentos machistas nem conseguimos perceber, são tão comuns na sociedade, que achamos normais. Acredito que ainda vai levar um tempo para equidade de gênero, mas estamos indo bem. Cada dia uma nova conquista.

Juh: O que vocês acreditam que ainda falte para que o talento feminino seja reconhecido e esteja livre de preconceitos?

Adriana: Acho que falta apoio e também segurança. A mulherprecisa quebrar o próprio preconceito e “dar a cara à tapa”, ou seja, arriscar, divulgar seu material e buscar editoras que as apoiem. E esperamos que com nossa divulgação sintam-se mais seguras.

Graziela: Existe um preconceito velado, comportamental, muito difícil de modificar por envolver cultura, hábitos e história. É necessário que as mulheres façam a sua parte, mostrem a arte, corram atrás do reconhecimento. Que não se desanimem com os “nãos”. Fundamental, nunca se colocar numa posição de isolamento, procurar apoio, é fundamental para criar segurança.

Carla: É preciso se articular. Concordo plenamente com a Graziela, se estamos juntas, é muito mais difícil desistir.

Juh: Vocês também escrevem e gravam os seus próprios vídeos para o canal, como se sentem sendo inspiração para outras tantas mulheres escritoras? 

Adriana:Super feliz e animada! Espero que realmente a inspiração vire ação e que a cada dia mais e mais mulheres participem com a gente!

Graziela: Ao acreditar na missão das Senhoras Obscenas estou acreditando também na minha escrita. Os vídeos que recebemos são a nossa inspiração.

Carla:Cada vídeo que recebemos sinto-me feliz e mais forte para continuar.

Juh: O que vocês têm a dizer para as mulheres escritoras?

Adriana: Não desistam de seus sonhos! Persistam, divulguem o material, arrisquem e com o tempo o resultado virá. Toda escrita tem seu valor. Acredite!

Graziela: Para apostar no próprio talento sem medos.

Carla: Mandem para as Senhoras Obscenas seus vídeos!

Juh: E por fim, como participar do projeto?

Adriana:Para participar é super fácil, basta entrar em contato por mensagem em nossa página, que passaremos as coordenadas sobre o envio dos vídeos. Pode ser declamando um poema autoral, ou de outras autoras, uma leitura de contos, crônicas, etc… pode ser uma dança, uma produção artística, enfim, mostre sua arte! Vamos juntas quebrar os paradigmas e preconceitos. Guardar os receios e libertar as emoções! Sem temática, sem regras, sem imposições – LIVRES! Em união colocando para fora seus sentimentos e mostrando os talentos, fugas e paixões da mulher contemporânea.

Graziela: Estamos aguardando o contato.

Carla: Não tenham vergonha, participem.

 

Espero que vocês tenham gostado!

Eu fiquei super empolgada e orgulhosa desse projeto! É de mais pessoas com iniciativas assim que esse mundo precisa. 🙂

Você pode acompanhar o projeto pela página no facebook e pelo canal no youtube.

Só digo uma coisa: vale super a pena. E ajude a divulgar também! o/

Recomendado

3 Comentários

  1. “Existem mulheres talentosíssimas, mas que não fazem, seja por vergonha ou receio, a divulgação do seu trabalho.” Eu sou essa pessoa! Hahahahahaahahah Awn que projeto lindo, não conhecia e essa entrevista me ajudou a entender melhor o objetivo do projeto/página (que você me convidou <3). Dá até vontade de participar, mas-não-tenho-esse-peito-ainda-não-por-motivos-de-trolls.

    Beijos, sua linda! <3

    1. Sim, você é muito essa pessoa! Perca a vergonha e mande seus videos, você é ótima com a câmera <3 ♡

      Então, esse foi o principal objetivo da entrevista e fico muito feliz de te ver comentando aqui! 🙂 Espero que mostrar assim o projeto esclareça as dúvidas e sirva de inspiração pra mais mulheres divulgarem seu trabalho! ♡

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *