de braços abertos.

Ser mulher é uma coisa muito louca. A gente dá conta de tudo. Sempre. A gente corre tanto que não dá nem tempo de parar pra pensar no próximo passo porque no primeiro a gente já engatilha o segundo. A gente passa o mês sendo uma a cada dia; rainha, princesa, fada e bruxa. A gente come e a gente oferece a maçã envenenada. A gente mata o dragão, não espera ser salva. E a gente passa os dias fazendo tudo isso ao mesmo tempo em que está lidando com a tempestade dentro da gente, mas sem deixar que isso reflita do lado de fora pra nenhum outro ser perceber o tsunami que tá rolando naquele momento.
A gente ajuda, acolhe, ampara, chora com a dor do outro lembrando da nossa própria dor. A gente sempre cuida. De todo mundo, sem exceção. Mas quem cuida da gente?
Aposto que tem uma mulher ao seu lado (seja mãe, amiga, tia, irmã) que corre sempre pra dar conta de tudo, e sempre dá. Mas será que ela não está escondendo a necessidade de um abraço atrás de um sorriso?
A gente precisa a aprender a olhar mais umas pras outras. Estamos todas exaustas sempre, mas se a gente dividir o fardo não pesa tanto pra ninguém.
Precisamos aprender a se enxergar como iguais e não rivais. O futuro é feminino e estamos todas indo na mesma direção.

– Juh, de braços abertos.

Recomendado

fome

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *