maldição

Eis que dentro de mim sinto
a maldição de ser poeta
de carregar um coração faminto
e uma mente louca e inquieta
crio histórias e fantasias
sorrio vivendo na imaginação
suplico por grandes alegrias
e descubro em mim
uma grande paixão
sonhos que me fazem arrepiar
mas o que seria de mim
se não pudesse sonhar?
ah, que grande agonia!
me sinto amaldiçoada
por ver em tudo poesia,
de amor ficar atordoada
e por sentir tudo em demasia
injusta essa maldição
que me faz amar assim
me faz berrar a negação
e me obriga a tudo isso
dar um fim.
que grande maldição
ter nascido poeta
e ser tão pateta
por expor minha rendição.

– Juliana Bassan Ayon

Recomendado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *