enquanto questiono ainda existo.

Quem eu sou? Quem é essa que eu vejo todo dia no espelho e que não mais conheço? Que olhos são esses que veem o mundo por mim, mas que não mais os reconheço? Quem é essa que ainda sou eu, mas a quem não mais pertenço? Interrogações que não acabam mais. É como se minha alma estivesse se desligando do meu corpo. O coração ainda bate, mas não parece mais que ele é meu. Ele ainda sabe amar, mas está quase se esquecendo como se faz, assim como eu estou me esquecendo de ser. Ainda existo enquanto questiono. Amanhã já não sei mais.

Recomendado

Ato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *