deixo de existir quando te amo

te amo com tanto fervor

que fervo eu

como se estivesse em ebulição

dentro de um caldeirão

e nessa fervura minha dureza some e eu amoleço

tal qual as batatas cozidas para um purê

me desfaço e perco a minha forma original

e desmancho até desaparecer

 

Recomendado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *