ímpar

Devo ter surgido num deslize
Num erro, num defeito
Saí estranha da forma
Em nada me reconheço
Não encontro iguais
Não vejo similaridades
Não sou unidade,
Fragmento ou pedaço
Não sou porção de nada
Nem parte de conjunto nenhum
Sou peça única, solitária
Eu, inabitada
Eu por mim mesma
Vim sozinha pra essa vida
E do mesmo jeito dela partirei.
– Juh, desvalida.

Continue Reading

maldição

Eis que dentro de mim sinto
a maldição de ser poeta
de carregar um coração faminto
e uma mente louca e inquieta
crio histórias e fantasias
sorrio vivendo na imaginação
suplico por grandes alegrias
e descubro em mim
uma grande paixão
sonhos que me fazem arrepiar
mas o que seria de mim
se não pudesse sonhar?
ah, que grande agonia!
me sinto amaldiçoada
por ver em tudo poesia,
de amor ficar atordoada
e por sentir tudo em demasia
injusta essa maldição
que me faz amar assim
me faz berrar a negação
e me obriga a tudo isso
dar um fim.
que grande maldição
ter nascido poeta
e ser tão pateta
por expor minha rendição.

– Juliana Bassan Ayon

Continue Reading

arrebatada

Encontros e
desencontros
Idas e vindas
algumas vezes
idas sem vindas
Chegadas sem aviso
E partidas sem despedida
Vida corrida
sentimento impreciso
A voz que grita
na minha cabeça
Confusa e escusa
Bem contraditória
Não tenho escapatória
Fui laçada
Caçada
Abatida
Ok, eu me rendo
Acabou
Você ganhou.
– Juliana Bassan Ayon

Continue Reading

afogamento

Tem dias em que toda a turbulência que existe dentro de mim formam um tsunami. Ondas gigantes de desespero. Afundo, me debato e quase me afogo. Fico submersa, de olhos arregalados e de repente tudo some e eu perco a consciência. Tudo fica em silêncio. De repente, tudo vai voltando a clarear As cores vão reaparecendo. E dentro do meu caos reencontro minha calmaria.
– Juh, maremoto.

Continue Reading

contradições

A casca é fluida e descomplicada.
No interior, um emaranhado
avassalador de problemas.
Límpida como água
pra quem via de longe.
Forte como vodka
pra quem sente de perto.
Se olha de fora,
é simples, comum
e desembaraçada.
Mas os poucos
que ela deixa entrar
mergulham numa intensidade
que não acaba mais.

– Juliana Bassan Ayon

Continue Reading

acordando

O que eu vejo primeiro
todo dia ao acordar
é você, meu parceiro
É teu corpo adormecido
jogado ao meu lado
é seu sono pesado
com a cara no travesseiro.
E eu sempre te acordo
antes do despertador
Porque não consigo me segurar
Faço cafuné do seu cabelo
Chego pertinho pra sentir seu cheiro
Ah, que sorte eu tenho!
De todo dia pela janela o sol entrar
E na minha cama ele iluminar
O amor da minha vida a sonhar.
– Juh, apaixonada.

Continue Reading

sistema & esquema

Era eu na luta todo dia
Eu contra mim mesma
Tentando ir em frente
Contra a vida,
contra o mundo
e contra a crueldade do sistema
Esse sistema era bem um esquema
que roubava todo dia meu tempo
Minutos sumidos
nunca mais vistos.
Fui feita prisioneira
do fantasma do desalento
que me colocou uma algema

Trancou meu pensamento,
roubou meu discernimento
e quanto mais eu trabalhava
mais sem tempo eu ficava
e de tanto trabalhar eu cansava
e na correria esquecia como se amava
E por fim o que realmente importa?
Se com esse tanto de stress
amanhã posso acordar morta?
– Juh, exausta de tanto brigar.

Continue Reading

nós, tão sós.

Busquei versos
de grandes poetas
pra tentar,
só uma vez,
explicar o que sinto.
Decifrar
o que pressinto.
Mas nunca achei
verso nenhum
que de você lembrei.
Somos dois sós.
Duas linhas
paralelas e solitárias.
Culpa toda
dos nossos passos.
Tão incertos,
mas tão mais espertos
do que nós.

Continue Reading

o choro que ninguém ouviu

A gente sempre espera uma guinada
Deseja a vida arrumada
Mas esquece que o futuro
É incerto e bem escuro

O golpe veio sempre inesperado
tornando dura minha existência
deixou meu mundo dilacerado
e tão nova recebi a penitência.

E enquanto eu sozinha chorava,
nenhum olho por aí notava
nem percebia a enorme solidão
que me tirava o sono, a luz e o chão

E sozinha meu destino meu traçava
sozinha grandes batalhas eu lutava
E no meio do olho do furacão
eu entendi que nem tudo foi em vão

E que talvez desse jeito
Essa tristeza eu transforme
E com coragem reforme
A aflição no meu peito

E aprenda a fazer do choro poesia
do sofrimento um belo verso
e pra esse coração controverso
trazer, quem sabe, alegria.

– Juliana Bassan Ayon

Poesia produzida durante a Oficina de Poesia ministrada pelo poeta Lucas Afonso no último dia do primeiro FLIJ – Festival Literário Independente de Jaú em 18/11/2018. Essa poesia ficou em segundo lugar. 💛

Continue Reading